Como escolher uma escola em Londres

Com as mudanças na lei de imigração, Home Office cria um banco de dados das instituições de ensino regulamentadas no Reino Unido, que pode ser acessado via internet. Mas outros critérios também devem ser observados na hora de escolher uma escola.

Por Paula Góes

Nem tudo é lamento dentro das mudanças na Lei de Imigração para o Reino Unido. Dentre as novidades, pode ser considerada bem-vinda a criação do ” Register of Education and Training Providers in the UK “, um banco de dados de escolas que têm a devida autorização para funcionamento disponível desde 1o de janeiro de 2005. Até dezembro de 2004, os critérios sobre quais escolas eram licenciadas para funcionar não passavam de uma obscura lista a qual nenhum estudante tinha acesso fácil. Um problema enorme para quem chegava no balcão da imigração com escola paga e se deparava com a negação do visto sob alegação de que a instituição de ensino não era devidamente reconhecida pelo Home Office.

O melhor de tudo é que esse banco de dados está ao alcance de qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. Para acessá-lo, basta entrar no endereço eletrônico do The Department for Education and Skills (DfES), ou seja, o órgão encarregado de regulamentar todas as instituições de educação no Reino Unido, clicar em “Search the register”, à esquerda da página, e digitar o nome da escola em “provider name” e verificar se ela consta no banco de dados. Alternativamente, as escolas também podem ser checadas com base no endereço ou mesmo telefone de contato.

Serão arquivadas no banco os dados de instituições de ensino da Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte. A idéia, além de tornar clara e pública a lista das escolas regulamentadas, é facilitar a fiscalização dessas instituições. Para que uma escola seja cadastrada, ela precisa cumprir uma série de requerimentos como por exemplo espaço físico e quantidade de alunos, assim como procedimento de controle de frequência das aulas. Esses critérios passarão a ser reavaliados periodicamente. Caso o nível da escola não permaneça satisfatório, ela pode e deve ser retirada do banco de dados.

Mesmo que a sua escola já esteja regularizada, não esqueça de pedir uma carta explicando que você está de férias ao viajar para fora do Reino Unido.

A partir de agora, esse documento passa a ser requisitado no balcão da imigração, e é através dele que o oficial vai checar se a instituição de ensino está dentro das novas normas.

E se minha escola não estiver lá?

As escolas do British Council foram automaticamente cadastradas, mas as que são independentes precisam requerer o cadastro. Caso você já esteja estudando no Reino Unido e sua escola não esteja constando no banco de dados do DfES , não se desespere. O processo de cadastramento é detalhado e a inclusão da escola no banco de dados demora cerca de 15 dias. Mas de forma alguma isso quer dizer que a sua instituição é ilegal. Como o sistema é novo, algumas escolas já entraram com o processo de cadastro, mas ainda não aparecem no banco de dados. Em outros casos, o nome da escola e o nome fantasia da empresa são diferentes, o que pode gerar conflitos no sistema. A melhor maneira de evitar problemas futuros é se informando na secretaria da escola se esse processo já está sendo encaminhado. E evite deixar o país até que ele seja concluído.

Caso você esteja em vias de renovar o visto ou ainda esteja no Brasil, é bom garantir matrícula numa escola que já esteja figurando na lista. A mudança entrou em vigor no primeiro dia do ano e desde então a recusa do visto de estudante é certa caso a escola não esteja nesse banco de dados. Por outro lado, estar matriculado em uma escola que figure na lista não garante o visto. Estar matriculado em curso full time (pelo menos 15 horas por semana), provar que tem recursos financeiros para se manter durante o tempo de estudo sem recorrer a recursos públicos e convencer que pretende deixar o país ao fim do curso pretendido ainda são critérios

A escola certa

A escolha de uma escola de inglês fora do Brasil passa por critérios que vão desde a localização até a qualidade de ensino, passando, claro pelo preço. Não é tarefa fácil conciliar todos os fatores envolvidos, e mais do que a pesquisa, contar com a recomendação de alguém que já estudou numa determinada escola pode ser fundamental. Foi o caso de Cassiana Pinheiro, que como todo estudante, pensou primeiro em alguma escola que fosse reconhecida pelo British Council. Mas depois de desencorajada pela pesquisa de preços na internet, e sem ir muito adiante trocando informações com outros brasileiros que também estavam se preparando para vir para Londres, acabou achando num conselho a escola certa. “Escolhi a escola que a minha irmã estudou, porque foi muito bem recomendada por ela e tem um esquema de Pratice Classe que ao pagar um ano inteiro adiantado, o preço sai mais em conta que todas as outras”, diz, já se preparando para desembolsar as libras da matrícula.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...



3 thoughts on “Como escolher uma escola em Londres

  1. Fernando Parro

    Olá, estou indo para Londres em outubro e ficarei 10 meses para fazer um curso de inglês. Fiz algumas pesquisas e com a ajuda de algumas agências cheguei a 3 escolas (Internaticional House, Hampstead e St. Giles).

    A Internacional House tive boas referências e inclusive foi classificada como uma das melhores escolas de línguas do mundo por uma revista aqui no Brasil, porém o preço acompanha a fama. A localização dela é excelente, central, acho que isto facilita pois qualquer zona e região (sul, sudeste, norte etc) ela continua na mesma distância, o que possibilitará que eu procure bairros menos caros para morar e não precisarei levar horas pra chegar a escola.

    A Hampstead se não me engano fica no norte e tem uma unidade da St. Giles que fica em Highgate também. O preço da Hampstead é bem equivalente ao da International House já e St. Giles, seja a Central seja a de Highgate tem um custo menor.

    O fato é que tenho 28 anos, sou advogado, e além de fugir de brasileiros, por isso estou disposto a pagar por escolas um pouco mais caras, não gostaria de estudar em uma escola com gente muito jovem, gostaria de um público mais da minha idade, até mesmo uma escola que seja também voltada pra negócios, executivos.

    A Hampstead tive uma única informação de que é uma boa escola mas custo benefício ela não compensa, pois é cara pelo que a escola oferece.

    A St. Giles eu não tenho muita informação sobre ela. Ela é uma boa escola?

    Tem a questão da localização também, que se escolher uma escola no norte de Londres, consequentemente terei que procurar um lugar para morar no norte, ai tenho medo de ficar refém da região e pagar caro para morar pois sei que tanto Hampstead quanto Highgate são bairros caros.

    Bom, se puderem me ajudar, me dar uma luz, umas dicas eu ficaria muito grato.

    Obrigado.

    responder
  2. rebeka

    Olá pessoal! Estou acabando o mestrado em 1 ano e tenho vontade de passar 1 ano em Londres. Meu objetivo é aperfeiçoar o ingles, trabalhar, sair um pouco da rotina de trabalho e universidade, mas também tenho vontade de fazer contatos com universidades para tentar um possível doutorado. Mas to voandoo ainda! Não sei o que faço, como procurar, qual a melhor cidade, preços etc. Alguem poderia me dar uma luz??? =)

    responder
  3. Marlise

    Fernando, eu também procurei por boas escolas em Londres e cheguei nas mesmas 03 que você. Estou optando pela St Giles pelo custoxbenefício. São mais de 50 anos de experiência, mais de 6000 alunos e ex-alunos no facebook (confesso, isto me acalmou um pouco) e tenho dois amigos suuuperr estudiosos e exigentes que estudaram lá (unidade Brighton) e adoraram. Além disto, conversei pelo facebook com diversos alunos e ex-alunos que só elogiaram. Algumas pessoas estudaram a anos atrás e agoram estão mandando filhos, outras já foram mais de uma vez. Eles têm a St Giles Central. A Highgate diminui custos pois é bem provável que sua moradia seja por lá mesmo. Quanto a turminha mais nova não há como fugir, são a maioria (apesar de te achar novo tbém rs, a faixa etária hoje vai de 16 a 45 e os que são mais “infantis” digamos assim, acabam partindo para os cursos destinados a eles. Eu tenho 40 anos e já desencanei com isto. Quem está me ajudando é uma agente aqui em Belo Horizonte, onde moro, que não cobra nada por isso, a comissão dela vem da escola. Caso queira falar com ela é Thaís, o email cbei@uai.com.br, e eu a conheci porque ela tem parceria com a PUC/MG onde me formei. Buscar escolas parceiras da sua universidade também é uma opção bacana. Espero que tenha ajudado, boa sorte! Marlise

    responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *